quinta-feira, 13 de setembro de 2012

ONDE ESTÁ ESCRITO QUE...


 
           Introdução.

           Existe, inclusive no meio adventista, uma coisa interessante que os estudiosos denominam de cultura corporativa. Trata-se de um conjunto de regulamentos, de regras, de preceitos, que são levados a sério, até demais, muito embora não estejam escritos em lugar nenhum.

            “Não tenho nenhum desejo de perturbar a fé de ninguém. Pelo contrário, quero que essa fé seja sincera, realista e verdadeiramente bíblica. Mas os crentes, por vezes, creem em coisas que não estão na Bíblia, por causa de um método errado de interpretação ou de uma esperança infantil de que Deus assumirá as responsabilidades por elas”. (O Mito da Grama Mais Verde de J. Allan Petersen, 4ª Edição/ 1990, Juerp, pág. 63).

           O objetivo deste estudo é levá-lo a rever seus conceitos.

 
           Deus é avesso a mudanças?

           Todos nós certamente temos a resposta na ponta da língua. Sim. Está escrito lá no livro de Malaquias 3:6. Ou então está lá no livro de Tiago 1:17. Certo? E.r.r.a.d.o. Errado.

           O fato de não conhecermos a Deus o suficiente (o conhecimento parcial pode ser mais perigoso que nenhum conhecimento), pode levar-nos a achar que Deus não gosta de mudanças.

           Olhando para a Bíblia vemos tantos exemplos não convencionais utilizados por Deus para realizar seus propósitos e manifestar seu poder.  Pergunto:

           » Quantas vezes de um casal de velhos (Abraão e Sara) e do ventre de uma mulher estéril, Deus suscitou uma nação?

           » Quantas vezes de um exército de 32.000 homens liderado por Gideão, Deus escolheu somente 300 para guerrear contra os 135.000 midianitas?

           » Quantas vezes de todos os filhos bem apessoados de um belemita chamado Jessé, Deus escolheu o menor, pastor de ovelhas para ser ungido rei sobre Israel?

           » Quantas vezes através de uma inseminação artificial feita pelo Espírito Santo trouxe à luz o Salvador, o Messias?

           » Quantas vezes da saliva misturada ao pó da terra deu a visão ao cego?

           » Quantas vezes através da morte maldita na cruz trouxe vida eterna a todos aqueles que crêem?

           Exemplos não convencionais divinamente utilizados apenas uma única vez. Certo? Certo. Então, em que sentido, Deus não muda?

           Deus nunca morrerá, Ele é eterno. Deus é fiel, sempre cumprirá o que prometeu.

           Deus nunca vai deixar de ser amor, misericordioso, longânimo, compassivo e justo.

           Deus sempre será Onipotente, Onisciente e Onipresente.

 
           Homens e mulheres têm direitos diferentes?

           Você acha que tem? Não? Está em dúvida? Então abra sua Bíblia em Gálatas 3:28: “Dessarte, não pode haver judeu nem grego; nem escravo nem liberto; nem homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus”.

           A Igreja Adventista do Sétimo Dia é composta de diversos tipos de pessoas no mundo todo. É uma igreja de mais de 12 milhões de membros no mundo (em 2002), sendo que mais de 90% desses membros moram fora do território da Divisão Norte-Americana. As mulheres somam 70% de todos os membros da Igreja Adventista. Em 1997, quase 40 mil novos conversos foram evangelizados por mulheres, e nos últimos três anos, 260 mil pessoas foram batizadas em decorrência do trabalho delas. Esse envolvimento com a missão legada por Deus, torna as mulheres muito importantes na Igreja. (TCC, Heber N. de Lima, UNASP, Maio de 2003).

            “Deus nos criou com características masculinas e femininas, dons peculiares e responsabilidades espirituais. Somos iguais em valor e importância, mas diferentes quanto às funções”. (O Mito da Grama Mais Verde de J. Allan Petersen, 4ª Edição/ 1990, Juerp, pág. 68).

 
           Deve-se fazer ano bíblico (ler a Bíblia) no período de um ano?

           1º de janeiro o início; 31 de dezembro a conclusão da leitura. Permitam-me fazer outra pergunta: Onde está escrito que a Bíblia deve ser lida livro por livro começando em Gênesis e concluída no Apocalipse? Sessenta e seis livros, um a um conforme estão ali dispostos? “Eu a leio, mas não a entendo”. Lembra-se da história do eunuco e Filipe?

           Até na questão da leitura bíblica a lógica divina parece não fazer sentido. Parece.

           A Bíblia não foi escrita para ser lida assim. Para o vosso conhecimento, os livros não estão dispostos em ordem cronológica, nem tampouco os assuntos contidos em seus respectivos capítulos e versículos estão.

           Se você está determinado a ler 3 capítulos de domingo a sexta e 5 no sábado; meus pêsames. Você está fadado ao fracasso, está candidatando-se a receber um certificado de abandono, de inconclusão de ano bíblico.  Ainda que consiga você estará realizando algo mecânico, maçante, frustrante com resultados medíocres.

           A própria Palavra de Deus recomenda como deve ser lida. A resposta encontra-se em Isaías 28:10. “Para compreender qualquer assunto na Bíblia, temos de considerar tudo que é ensinado nas diferentes partes das Escrituras. Essas passagens têm de ser reunidas, como se reúnem, por exemplo, as partes de um quebra-cabeça, para ver o quadro completo, em sua beleza” (A Bíblia Fala Nº 1). 

 
           Somos obrigados a estar na igreja todos os domingos e quartas-feiras?

           Logo após a Série de Conferências (Projeto Viva Melhor) realizado na Ferraria encontrei uma jovenzinha, recém-batizada, que não estava vindo à igreja e indaguei o porque. A resposta foi surpreendente: “Ah irmão Nelson, estou indo na igreja tal porque lá o pastor realiza cultos todos os dias da semana”.

           Isso me leva a formular uma nova pergunta: Onde está escrito que a frequência a alguma igreja pode salvar alguém?

           O livre arbítrio, bem como a verdadeira religião concedem-lhe o direito de vir a igreja quando você bem entender. Mas, antes que você possa pensar o que eu acho que está pensando escute a seguinte citação do Pr. Lícius O. Lindquist, inserida no Boletim da Igreja do C.C.A. Bom Retiro em 1º de Abril de 1995, intitulada Palavras do Pastor: “Paulo disse que aprouve a Deus, em Sua sabedoria, salvar alguns para a loucura da pregação. Em certo sentido parece loucura; mas através dos séculos, Deus teve um desígnio para a pregação. Lembro-me de grandes sermões que ouvi desde a minha infância. Se eu quisesse perder-me, teria de tentar esquecê-los. Isto seria uma tarefa gigantesca. Lembro-me de um sermão sobre o cego Bartimeu. Se eu quisesse perder-me, teria de esquecer a exclamação da multidão: “Jesus de Nazaré está passando”. Teria de esquecer a frase do cego: “Jesus, filho de Davi, tem compaixão de mim”. Este é um poderoso recurso de Deus para evitar que um de seus filhos (as) se perca”.

           Lucas 4:16 afirma que era costume de Jesus ir a sinagoga aos sábados, mas isto não significa que Ele não ia a sinagoga nos outros dias.

           Percebeu a importância de vir à igreja, de ouvir as pregações? Não corra o risco de perder-se. Venha, participe das atividades, ouça e assim sua fé será fortalecida.
 

            Que serão salvos os que vêem a igreja nos cultos de quarta-feira?

           Você já ouviu falar de mensagens escondidas? Eu disse escondidas. Não escolhidas. Alguns afirmavam, até a virada do século passado, que o mundo acabaria na passagem de 1999 para 2000. Onde está escrito tamanho absurdo? Na Bíblia alegavam, lá em Jó 38:11.

           Não só a Palavra de Deus tem sido vítima deste tipo de coisa como também o ministério profético de Ellen G. White. Muita coisa tem sido atribuída a Ellen G. White como sendo de sua autoria. Coisas ela não disse nem jamais escreveu, inclusive isto:      “Que os salvos serão vistos nos cultos de quarta-feira”. E por conta da falta de conhecimento, do temor, muitas pessoas veem à igreja temendo se perderem.

           Querem saber a verdade? O que de fato ela escreveu? “Os que estão realmente buscando a comunhão com Deus, serão vistos nas reuniões de oração, fiéis ao seu dever, e atentos e ansiosos por colher todos os benefícios que possam lograr. Aproveitarão todas as oportunidades de colocar-se onde possam receber raios de luz do Céu” (Caminho a Cristo, págs. 83-84/ Esperança para Viver, pág. 86).

           O que fazer então quando alguém, em uma pregação afirmar, com todas as letras, que tal citação encontra-se na Bíblia ou no Espírito de Profecia?

           De forma elegante, educada, discreta, a saída, depois de terminada a pregação ou estudo, indagar o livro, o versículo, a página que contém tal citação. Segundo livro de Atos, este é um gesto de nobreza (Atos 17:10-11).
 

           Trabalho missionário deve ser feitos aos sábados à tarde?

           Em sua mensagem pastoral, contida na Revista Adventista de Dezembro/2008, pág. 4, o Pr. Erton Köhler, presidente da DAS afirma que: “Diante da orientação quanto ao quarto mandamento, basta fazer uma pergunta bem simples, antes de tomar alguma decisão: Levando em conta o que pretendo realizar, quem será beneficiado? Se o benefício é pessoal, então, um dos seis dias da semana é contemplado. Se o benefício está ligado a Deus e às questões espirituais, ele combina com o sábado”.

           Ele afirma estar preocupado com a maneira com que o sábado tem sido tratado por alguns. Por exemplo: viagens particulares, trabalho, almoçar fora ou comprar alimentos, dormir e horário do pôr-do-sol. Conclui dizendo: “Procuremos fortalecer o dia do Senhor em nossos lares e na igreja”.

           Trabalho missionário não está mencionado entre as coisas a serem evitadas no sábado. Então, você pode e deve fazer trabalho missionário, mas, não necessariamente durante as horas sabáticas.

           Não transforme o sábado em um fardo demasiadamente pesado, difícil de carregar e sim em uma bênção para você e para sua família. 


            Que as mulheres (irmãs) não podem usar calças compridas na igreja?
            A Palavra de Deus afirma: “A mulher não usará roupas de homem, e o homem não usará roupas de mulher, pois o Senhor, o seu Deus, tem aversão por todo aquele que assim procede” (Deuteronômio 22:5, SBB). O objetivo imediato era de manter a santidade da distinção dos sexos que foi estabelecida pela criação do homem e da mulher. Esta proibição visava inculcar respeito para a distinção entre sexos.
            A Bíblia considera importante preservar as distinções de sexo no vestuário. Isto é importante para nossa compreensão do que somos e do papel que Deus quer que desempenhemos. O vestuário define nossa identidade.
            E a orientação continua sendo válida. Hoje, mais do que nunca, os cristãos devem respeitar as distinções de sexo usando vestes que afirmam sua identidade masculina ou feminina.
            Evidentemente, a Bíblia não nos diz que estilo de vestuário homens e mulheres devem usar, porque reconhece que o estilo é ditado não só pelo clima, mas pela cultura. O que ela nos ensina é respeitar a distinção de sexo no vestuário conforme as normas da nossa própria cultura. Isto significa que como cristãos devemos nos perguntar ao comprar roupa: “Este artigo afirma minha identidade sexual, ou me faz parecer como se fosse do sexo oposto?” Quando sentir que certo tipo de vestimenta não pertence a seu sexo, siga sua consciência: não o compre, mesmo se estiver na moda.                                      

            

           Que só Adventistas do Sétimo Dia serão salvos?

           Proclamar dogmaticamente quem está ou não está salvo é fazer o papel de Deus. É tomar as prerrogativas que pertencem só a Ele. O Senhor, e somente Ele, conhece os que Lhe pertencem (II Tim 2:19).

           O próprio Jesus afirmou em João 10:16: “Ainda tenho outras ovelhas, não deste aprisco; ...”. Então, a pergunta óbvia: Onde estão estas ovelhas?

           “Deus tem filhos, muitos deles nas igrejas protestantes, e um grande número nas igrejas católicas, que são mais fiéis para obedecer à luz e para proceder de acordo com o seu conhecimento do que um grande número entre os adventistas observadores do sábado que não andam na luz” (Ellen G. White, ME, vol. 3, pág. 386).

           O fato é que, no mundo inteiro, Deus tem o Seu povo fiel, aqueles que estão vivendo conforme toda a luz que têm.

           Como adventistas do sétimo dia, fomos chamados para pregar a mensagem ao mundo; não fomos chamados para passar em juízo quem está ou não está salvo.




            Que Deus nos concede apenas três chances de salvação?

             Na Bíblia. Há alguns dias, segundo uma irmã indignada, um pregador afirmou com todas as letras e com tamanha convicção capaz de intimidar a quem se atrevesse discordar. Na Bíblia? Em qual livro, capítulo, versículo?

 

            É muito comum encontrarmos na igreja líderes, pessoas influentes ou nem tanto, a respeito das quais o apóstolo Paulo arrazoou “que têm zelo de Deus, mas não com entendimento” (Romanos 10:2), pessoas que tentam atribuir à palavra de Deus significados, conceitos e princípios que dela não emanam.

 

            Pessoas que, na maioria das vezes, mesmo involuntariamente, ao retirar textos de seus contextos acabam por “reescrever” partes das Escrituras, como bem exemplificava o Pr. Pedro Apolinário: “um texto fora de contesto não é texto, é pretexto”. Pretexto para dar ao texto o significado que se quer dar.

 

            Há também aqueles que ignorando que a Bíblia não foi escrita em nosso idioma, se apegam a alguma tradução disponível, versão ou paráfrase e fazem da mesma um cavalo de batalha. Como a maioria de nós desconhece hebraico, aramaico ou grego, não é conveniente chegar a alguma conclusão precipitada, sem ao menos consultar algumas diferentes versões bíblicas para se chegar o mais próximo da ideia contida nos textos originais. Já vivenciei, por exemplo, debates acalorados na igreja acerca de Gênesis 22:1 “Deus provou a Abraão” ou “Deus tentou a Abraão”? ; também sobre Jonas 1:17, simplesmente porque alguém possuía uma versão que traduzia  “grande peixe” como “baleia”. Obviamente que Deus não nos tenta e Jonas não foi engolido por uma baleia.

           

            Apenas três chances de salvação. De onde vem essa ideia? As tradições judaicas  determinavam apenas três chances de perdão ao transgressor. Tanto é verdade que em certa ocasião, quando Jesus pregava justamente sobre sua missão (vers. 11 – de Mateus 18), e assuntos pertinentes, entre eles, salvação, perdão; o discípulo Pedro tentando melhorar seu conceito junto ao Mestre, fez-Lhe a seguinte pergunta: “Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu lhe perdoarei? Até sete?” (Mateus 18:21). “Não!” respondeu Jesus, “setenta vezes sete” (BV). Aqui Jesus está dizendo que não há nenhum limite quando se trata de perdoar o irmão que se arrepende (Lc 17:3-4; Gn 4:24). Ora se não há limite de irmão para irmão imagine se há de Deus para conosco?

 

            Entretanto, alguém poderá questionar que neste caso a relação acontece no sentido horizontal – de ser humano para ser humano e não no sentido vertical – de Deus para com os seres humanos. O princípio é o mesmo; não muda. Pode e deve ser aplicado em ambas as situações. Deus não age de forma diferente daquela que Ele espera ver estampada em Seus legítimos representantes - Seus filhos.

 

            O pregador que deixou nossa irmã confusa e indignada, até poderia estar coberto de razão se. Se nós, como seres humanos, pecássemos durante toda nossa existência, apenas três míseras vezes. Tal ideia é simplesmente absurda, antibíblica, uma vez  “que todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3:23). Todos nós herdamos de nossos primeiros pais tendências pecaminosas – “Eis que em iniquidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe” (Salmos 51:5).

 

            Pecamos e mesmo depois de justificados, continuamos pecando. Está escrito: “Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo” (1 João 2:1). Diariamente precisamos não somente conjugar, mas exercitar o verbo perdoar e isto como afirmam as Santas Escrituras: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus” (Efésios 2:8).

 

            Após o término da oração conhecida como “a oração que o Senhor Jesus nos ensinou” – O Pai Nosso, Ele próprio dá uma explicação que nos ajuda a entender que Deus nos dá, não apenas três oportunidades, mas inúmeras chances de salvação:

            “Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas” (Mateus 6:14-15).  

 

          Se esta afirmação de que temos apenas três chances de salvação fosse verdadeira, que diríamos nós de textos bíblicos como estes:

            “Porque não tenho prazer na morte do que morre, diz o Senhor DEUS; convertei-vos, pois, e vivei” (Ezequiel 18:32).

            “Desejaria eu, de qualquer maneira, a morte do ímpio? diz o Senhor DEUS; Não desejo antes que se converta dos seus caminhos, e viva?” (Ezequiel 18:23).

            “Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que razão morrereis, ó casa de Israel?” (Ez 33:11).

            O Senhor não demora em cumprir a sua promessa, como julgam alguns. Pelo contrário, ele é paciente com vocês, não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento” (2 Pedro 3:9).

 

            “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16).

 

            Portanto, tal afirmação é leviana, destituída de embasamento bíblico e fere frontalmente os princípios divinos de lógica e de justiça exarados na Palavra de Deus, sem esquecermos de que a Palavra de Deus encerra maldições para quem acrescentar ou tirar coisas de seu conteúdo: Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro; e, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida, e da cidade santa, e das coisas que estão escritas neste livro” (Apocalipse 22:18-19) .

             
           Conclusão.

           Então, não esqueça: Deus aprecia mudanças; mudanças são saudáveis, são necessárias, desde que sejam criativas, no entanto, são desafiadoras.

           > Homens e mulheres. Diante de Deus somos iguais. Iguais, com funções diferentes.

           > Demore o tempo que desejar ou que for necessário, mas por amor àquilo que lhe é mais sagrado – leia, medite, estude a Bíblia.

           > Sentindo-se tocado ou não, venha para igreja e como resultado você terá mais dificuldade de perder-se, de apostatar.

           > Trabalho missionário é importante sim, só não esqueça de que sua família, os filhos que Deus lhe confiou representam seu primeiro campo missionário.

          > Salvo ou perdido cabe somente a Deus decidir. Nossa missão é pregar.

           > Acredite. Um Deus capaz de entregar o Seu próprio filho para remissão de nossos pecados, jamais depreciaria tamanho sacrifício oferecendo-nos apenas três chances de salvação.

           Este é o meu desejo e a minha oração. Amém!!!

 

 


 
          

Nenhum comentário:

Postar um comentário