terça-feira, 28 de agosto de 2012

E ACONTECERÁ DEPOIS...


 
           “Acontecerá depois que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos anciãos terão sonhos, os vossos mancebos terão visões; e também sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu Espírito”. Joel 2:28-29.

 

           Introdução.

Há vinte e sete séculos o profeta Joel profetizou a promessa do derramamento do Espírito Santo.


            Passaram-se sete séculos e o mundo teve uma pequena mostra do que será o cumprimento dessa profecia em toda sua plenitude. O evangelista Lucas nos deixou o relato do ocorrido no livro de Atos – caps.2:41 e 4:4.

            Passaram-se os séculos e chegamos aos dias da Sra. White (1827/19l5), são suas estas palavras: “Fiquei profundamente impressionada com as cenas que ultimamente passaram perante mim nas visões da noite. Parecia estar-se operando um grande movimento – uma obra de reavivamento em muitos lugares. Nosso povo acorria a seus postos, atendendo ao chamado de Deus”. Serviço Cristão, pág.42.

            Que cena maravilhosa!

            Quantos de nós, como líderes e membros consagrados almejamos presenciar e dela participar há muito tempo?

            Graças a Deus que o tempo de refrigério virá. Não há dúvida quanto a isto. Deus tem prometido. Isto acontecerá.

            “Haja uma reforma entre o povo de Deus”. Mens. Aos Jovens, pág. 317.

           “Um reavivamento da verdadeira piedade entre nós, eis a maior e a mais urgente de todas as nossas necessidades. Buscá-lo, deve ser nossa primeira ocupação. Importa haver diligente esforço para obter a benção do Senhor, não porque Deus não esteja disposto a outorgá-la, mas porque nos encontramos carecidos de preparo para recebê-la”. ME. vol. I pág. 121.

           Qual é então, a benção do Senhor?

           “Tem que ter lugar um reavivamento e reforma, sob o ministério do Espírito Santo. Reavivamento e reforma são duas coisa diferentes. Reavivamento significa renovação da vida espiritual, uma vivificação das faculdades do espírito e do coração, um ressurgimento da morte espiritual. Reforma significa reorganização, mudança de idéias e teorias, hábitos e práticas.” SC. pág. 42

           “Antes de os juízos finais de Deus caírem sobre a Terra, haverá, entre o povo do Senhor, tal avivamento da primitiva piedade como não fora testemunhado desde os tempos apostólicos. O Espírito Santo e o poder de Deus serão derramados sobre seus filhos”. CS. pág. 464.

            O profeta Isaías mostra-nos que Deus tem penhorado sua palavra de que o reavivamento virá ao seu povo. Essa promessa não voltará para Ele vazia. Isaías 55:11.

            Seria até redundância perguntar de quem e para quem é a promessa?

Para que não haja dúvida alguma, a promessa é Deus para o seu povo. Para nós, indiscutivelmente. As promessas de Deus são para nós. O tempo é agora. O Senhor está ansioso por cumprir o que prometeu.

            Por que então, que o tão aguardado reavivamento parece demorar?

            Porque, como toda promessa de Deus está sujeita a condições que devem ser satisfeitas. “Cristo prometeu o Dom do Espírito Santo a sua igreja, e a promessa nos pertence a nós, da mesma maneira que aos primeiros discípulos. Mas, como todas as outras promessas, é dada sob condições”. DTN, pág. 502 edição de 1898.

 

           O reavivamento começa com pessoas .

           “Esta prometida benção, reclamada pela fé, trás após si todas as outras bênçãos”. DTN, pág. 502, edição de 1898.

           “O Espírito trabalha no coração do homem de acordo com seu desejo e consentimento, nele implantando natureza nova”. PJ. pág. 411

            É só pedir, Deus prometeu e está disposto a conceder esta que é a maior bênção que um filho seu ou a igreja pode receber. Lc. 11:13

            O Pr. Robert H. Pierson, presidente da Associação Geral l966/l979, em seu livro Para Você que Quer Ser Líder - págs. 214/215 conta-nos que durante os dias do grande reavivamento galês, um cristão londrino decidiu ir ao País de Gales e ver por si mesmo o despertamento. Ao sair do trem, começou a olhar ao redor por evidências de uma grande excitação religiosa. Não vendo nada inusitado, aproximou-se de um policial que estava em pé na plataforma da estação e perguntou-lhe: “- Oficial, onde está o grande reavivamento galês do qual tenho lido tanto?” O policial, que também era um cristão, levantou os seus ombros e apontou para o seu próprio peito. “- Senhor, está aqui mesmo atrás destes botões de bronze”.

            A Sra. White escreve: “A não ser que estejamos desenvolvendo diariamente na exemplificação das ativas virtudes cristãs, não reconheceremos as manifestações do Espírito Santo na chuva serôdia. Pode ser que ela esteja sendo derramada nos corações ao nosso redor, mas nós não a discerniremos nem a receberemos...” Testemunhos p/ Ministros e Obreiros Evangélicos, pág. 507, edição compilada em 1923.

Notemos agora, o que ela nos diz em Serviço Cristão, pág. 121: “O reavivamento das igrejas provém do sincero esforço de alguma pessoa em buscar as bênçãos de Deus”. “De alguma pessoa em buscar” - aqui estão as cinco mais importantes palavras desta mensagem! Esqueça tudo, menos isto. Mas, continuemos a ler: “Esta pessoa tem fome e sede de Deus, e pede com fé, recebendo de acordo com ela. Põe-se a trabalhar com zelo, reconhecendo sua inteira dependência do Senhor, e almas são despertadas para buscar uma bênção semelhante, recebendo em seu coração um período de refrigério”. Serviço Cristão, pág. 121.

 

           Reavivamento é uma experiência pessoal.

           “Devemos encarar a tarefa individualmente”.Christ Our Rigtheouness (Cristo Nossa Justiça) pág. 31.

Sim, na verdade, outros seguirão – dezenas, centenas, milhares talvez, dependendo da localidade. “O grande movimento”, segundo foi mostrado a serva do Senhor, ocorrerá. Milhares aceitarão “respondendo ao chamado de Deus”. SC. pág. 42.

Mas a obra do Senhor começará em várias igrejas, em diferentes comunidades, quando um membro, um pastor, um professor, um administrador, procurar fervorosamente a bênção de Deus.

            Nos dias do ímpio Acabe e Jezabel, o Senhor usou um homem – Elias – para operar um reavivamento. Para Deus um homem foi suficiente quando ele estava cheio do Espírito Santo. Enquanto Elias testemunhava no Reino do Norte, Deus enviou outro profeta para admoestar a Judá no Sul – Josafá.

            Através destes dois homens, o povo havia sido ensinado a confiar no Senhor e estava preparado para a emergência. Bendita influência exercida por líderes piedosos a semelhança de Elias e Josafá ensinam as pessoas a confiarem no Senhor. Como o Senhor os usou!

            Está você preparado para a emergência?

           Está preparado para o que lhe reserva o futuro?

           “O povo de Deus não suportará a prova a menos que haja um reavivamento e uma reforma entre o povo de Deus, mas esta deve começar sua obra purificadora entre os ministros”. Testemonies, vol. I pág. 469.

            Hoje deve ocorrer o mesmo. Deus precisa de muitos Elias e Josafás a postos para liderar, para indireitar veredas e preparar o povo par as futuras calamidades e desafios.

           A Palavra de Deus está repleta das experiências de outros líderes a quem Deus usou para trazer reavivamento ao seu povo. No entanto, esses reavivamentos ocorreram porque uma pessoa buscou fervorosamente ao Senhor.

            Então, como começa um reavivamento?

            O Senhor, através do rei Salomão, estabeleceu os passos que conduzem ao reavivamento. Leiamos juntos, em espírito de oração o que se encontra em II Crônicas 7:14 . Aqui estão, claros e inconfundíveis, os quatro passos que levam a um verdadeiro reavivamento:

            1º) Exame de coração e arrependimento;

            2º) Jejum e oração;

            3º) Confissão da culpa e

            4º) Fervoroso exame da Palavra.

            Este é o caminho. A única maneira. Não existe nenhum atalho sensacional, nenhuma fórmula mágica. Tão simples, contudo, tremendamente importante.

Você e eu devemos nos arrepender, orar, confessar e estudar como conseguir o nosso reavivamento. Todos nós necessitamos trilhar este caminho e levar os que estão a nossa volta conosco.

Fazer isto não requer um grande conhecimento. Não demanda recursos financeiros, tão escassos atualmente. Entretanto, isto requer tudo o que possuímos, ou somos. Uma entrega total, sem reservas. Unicamente tal experiência produzirá um reavivamento em seu coração e no meu. “Deus está procurando líderes que estejam dispostos a pagar o preço de uma total entrega. Para eles o poder do Espírito Santo será dado”.Testemonies, vol. 8, pág. 20

“Tenho ansiosamente aguardado, esperando que Deus revista alguns de seu Espírito e os use como instrumentos de justiça para despertar sua igreja e organizá-la.” Testemonies, vol. 5, pág. 663

Há quanto tempo a Sra. White escreveu isto?

Há muitos anos, muitas décadas e ainda estamos aqui nas bordas do reino.

Não nos ofereceremos humildemente para ser usados por Deus para acender este último reavivamento tão almejado, desejado, tão sonhado pela igreja?

Que quando o Senhor bater em seu ombro, sua resposta possa ser a mesma dada pelo profeta Isaías por ocasião de seu chamado: “Eis me aqui, envia-me a mim”. Isaías 6:8.       Amém!!!

 

 

 

 

           

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

O INESPERADO ACONTECEU



“Ainda Pedro falava estas coisas quando caiu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam a palavra” (At 10:44, ARA).



            Introdução

            Temos de admitir que essa é uma das muitas passagem das Santas Escrituras que nos fazem sorrir, simplesmente porque o pregador foi interrompido pela ação do Espírito Santo.



            Quem, onde, como?

            Quem era esse pregador? Onde é que ele se encontrava? O que é que ele foi fazer lá? Qual foi o resultado desta intervenção divina? O que temos haver com isto?

            O próprio texto chave afirma: Pedro. As demais respostas, o próprio capítulo 10 de Atos se nos apresenta. Ele se encontrava na casa de Cornélio. Tinha ido parar lá por indicação divina, através de uma visão. Bem nomeio da explanação de Pedro sobre a misericórdia de Deus em conceder graça a quem Ele quer, O Espírito Santo age de uma forma surpreendente. Ele não espera o sermão terminar e interrompe.

            De repente, aqueles que eram tidos, rotulados como não pertencentes ao povo de Deus (gentios), são de forma visível e inquestionavelmente os recipientes do poder do mesmo Espírito Santo que foi derramado pela primeira vez por ocasião do Pentecostes.

            O resultado foi “surpreendente” e, por conta do ocorrido, houve aceitação e afirmação.



           Lições e lições

            O livro de Atos encerra muitas lições, essa, no entanto, tem particular importância para o povo de Deus hoje.

            A liberdade que o Espírito Santo tem em realizar o que deseja, anima a quem ele escolhe e cria nova vida entre nós. Isso deveria ser uma boa noticia- mesmo quando essa nova vida não se apresenta da maneira como esperávamos.

            A fidelidade às Três Mensagens Angélicas (Apocalipse 14) e a mensagem bíblica do Adventismo do Sétimo Dia deve permitir que estendamos nosso apoio e incentivo aos muitos ministérios guiados pelo Espírito.



            As questões corretas

            As questões corretas são:

ü  Será que essas novas iniciativas testemunham as verdades bíblicas?

ü  Estão em harmonia com as crenças fundamentais do Adventismo?

ü  São confirmadas pelos princípios do Espírito de Profecia? 



            Os novos ministérios ou movimentos que quando submetidos a esta avaliação e consequentemente aprovados merecem e necessitam do nosso amor, apoio e incentivo.



           

            Conclusão

            Que Deus nos conceda a graça de deixarmos de ser avessos às mudanças.

            Precisamos deixar a mornidão laodiceana de lado e isto implica em mudar.

            Precisamos mudar para crescer. Crescer “até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo” (Efésios 4:13).

            É o meu deserjo e a minha oração. Amém!!!

sábado, 11 de agosto de 2012

PACIÊNCIA SIGNIFICA SALVAÇÃO



"Tenham em mente que a paciência de nosso Senhor significa salvação" (II Pe 3:15).



            Introdução

            > O que o apóstolo está dizendo nesse verso? 

           > Se a paciência de Deus significa salvação, por que nossa paciência não pode seguir o exemplo? Somos impacientes, e às vezes deixamos de ver que também se requer paciência de nossa parte.

            > Se Deus não está disposto a apressar-Se, mas permite pacientemente que Seus filhos cheguem à salvação, por que devemos ser diferentes? 



            Mude o ponto de vista

            Desta perspectiva, vemos Deus concedendo mais tempo para que as pessoas aceitem Suas promessas e entrem em relação de concerto com Ele, baseadas em amor.

Deus é paciente, supremamente paciente: "Não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento" (II Pe 3:9).

            Este é o mesmo Deus que devemos reconhecer, e não desprezar "as riquezas da Sua bondade, tolerância e paciência, não reconhecendo que a bondade de Deus [nos] leva ao arrependimento" (Rm 2:4). 



            Comparando experiências

            A comparação (Is 28:10) com a experiência do Êxodo aqui é útil. A vontade de Deus é que Israel entre e ocupe a terra dada sob promessa. Mas Deus não pode salvar as pessoas sem o seu consentimento. Os israelitas desviaram o coração (Hb 3:10), e a maioria não entrou no descanso prometido (Números 14:22-23).

A participação deles na salvação dependia da resposta que dariam. Passaram 40 anos desnecessários vagando pelo deserto rochoso do sul da Palestina. Este não foi resultado da vontade de Deus, mas do fato de o Seu povo do concerto haver rejeitado Suas promessas.

            Ellen White observa: "Os mesmos pecados têm retardado a entrada do moderno Israel na Canaã celeste. Em nenhum dos casos as promessas de Deus estiveram em falta. É a incredulidade, o mundanismo, a falta de consagração e a contenda entre o professo povo do Senhor que nos têm conservado neste mundo de pecado e dor por tantos anos."– Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, vol. 1, pág. 69.



Deus é paciente conosco porque é um Deus salvador. Corta o Seu coração desistir de algum de Seus filhos. Mas, um dia, o fim vem. A oposição a Deus não vai impedir o cumprimento máximo da esperança“Deus é longânimo e não quer que ninguém pereça; mas sua paciência tem limite, e quando o limite for ultrapassado, não haverá segunda chance. Sua ira se manifestará e Ele destruirá sem escape” (SDA Bible Commentary, volume 7, página 946).



            > Por que ainda estamos aqui? Ellen White, mais de uma vez, indicou que se não fossem os pecados e incredulidade da igreja de Deus, já poderíamos estar em casa.

           > O que ela queria dizer?

            > Será que é realmente por nossa causa, nós que desejamos tanto e procuramos a esperança da segunda vinda, que o segundo advento ainda não teve lugar? 

    

            Saber esperar com paciência 

         "Enquanto aguardamos a bendita esperança: a gloriosa manifestação de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo" (Tito 2:13). 



            Talvez o tempo tenha "sido mais longo" do que esperávamos, mas isso é só porque nossas expectativas são imperfeitas. Esse desapontamento não é absolutamente razão para rejeitarmos a bendita esperança, as grandes e preciosas promessas do Salvador – promessas tornadas certas pela morte de Cristo na cruz.

            Levando sobre Si a ira de Deus contra o pecado (Isa. 53:4-5), enfrentando o juízo do Pai contra o pecado no próprio Jesus (v. 6), oferecendo-Se como nosso Substituto (I Ped. 2:24), tornando-Se nosso Cordeiro de sacrifício (I Cor. 5:7) – Jesus é nossa segurança absoluta.

            Sem essa segurança, sem a segunda vinda, o futuro não nos oferece nada além de uma cova fria na terra, dificilmente um fim apropriado ou glorioso para todas as labutas, lutas e problemas que a precedem. Embora tenhamos vindo do pó, e embora devamos voltar para o pó, nossa esperança – selada pelo sangue de Cristo – é que não vamos permanecer no pó

            Então, como é importante praticarmos a "paciência" mencionada por Tiago (5:7), "colocar toda a esperança" (I Ped. 1:13), e "permanecer nEle" de forma que "quando Ele Se manifestar", sejamos "semelhantes a Ele" (I João 2:28; 3:2). 



            Note as muitas vezes que o salmista aconselha a esperar em Deus

            > Espere no Senhor. Seja forte! Coragem! Espere no Senhor" (Salmos 27:14). 

         > “Nossa esperança está no Senhor; Ele é o nosso auxílio e a nossa proteção" (Salmos 33:20). 

            > "Espero no Senhor com todo o meu ser, e na Sua palavra ponho a minha esperança" (Salmos 130:5). 

            Se tiver uma concordância, procure a palavra ‘esperar’ em Salmos (resp.18) e Provérbios (resp.02) e veja com que frequência somos aconselhados a esperar no Deus de nossa esperança e salvação. Nada mais nada menos que vinte vezes. É para pensar! 

            Suponha que você tivesse a oportunidade de falar a toda a igreja, a cada adventista do sétimo dia no mundo. Suponha que seu tema fosse: "Como não perder a esperança enquanto esperamos, esperamos e esperamos..." Suponha que você tivesse três minutos para falar. Usando a expiação do sangue de Cristo como fundamento de sua mensagem, o que você diria? Escreva esse tema e conte-o.





            Conclusão

            Seguindo a orientação divina através do profeta Isaías (Is 28:10), juntando dois textos bíblicos; um conselho para encerrarmos esta mensagem:  “Pregue a palavra, esteja preparado a tempo e fora de tempo, repreenda, corrija, exorte com toda a paciência e doutrina” (II Tim 4:2). de modo que vocês não se tornem negligentes, mas imitem aqueles que, por meio da fé e da paciência, recebem a herança prometida” (Hebreus 6:12).

            É o meu desejo e a minha oração. Amém




















SOFISMA DA INCREDULIDADE



"Quando o amor à vinda do Salvador começa a enfraquecer, e as atrações da vida presente começam a se avolumar, fica fácil imaginar que o tempo vai se prolongar, e que existem tantas coisas a serem feitas, e tanto ainda para se cumprir, que a vinda de Cristo não pode estar muito próxima. Este é o sofisma da incredulidade. Cuidado com ele." – Uriah Smith, em Review and Herald, 31 de agosto de 1897. 



            Introdução

            Como seres caídos todos nós, sem exceção, temos um sério problema, segundo o profeta Jeremias, chamado coração: "Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?" (Jeremias 17: 9). Na realidade o profeta cometeu apenas um pequeno equívoco. Não é o coração que é enganoso- é a nossa mente. É que naquela época (626 a.C.), acreditava-se que o coração era o centro das emoções.



            DefiniçãoSofisma - s.m. raciocínio vicioso, aparentemente correto e concebido com a intenção de induzir em erro. (v. Paralogismo.) → s.m. Raciocínio falso, feito de boa fé por falta de consciência de sua falsidade. Linguagem ilógica ou desprovida de sentido, característica dos doentes mentais.



            A parábola de três aprendizes do diabo 

           O teólogo William Barclay (1907-1978) conta a parábola de três aprendizes do diabo selecionados para ser enviados à Terra para completar seu treinamento. Cada um apresentou seu plano a Satanás para a destruição da humanidade.

            O primeiro propôs-se a dizer às pessoas que Deus não existe. Satanás respondeu que isso não enganaria muitos, pois a maioria tem a sensação do contrário. O segundo disse que proclamaria que o inferno não existe. Satanás rejeitou essa tática também, pois a maioria das pessoas tem noção de que o pecador, um dia, receberá o que merece. O terceiro disse: Direi aos homens que não há pressa. Vá, respondeu Satanás, e você arruinará milhares de homens.



            A ilusão mais perigosa é pensar que o tempo nunca chegará ao fim.  “Amanhã” é uma palavra perigosa. É contra essa atitude que Cristo nos adverte na primeira de Suas cinco parábolas sobre vigilância e prontidão.

           Trata-se da parábola do pai de família vigilante, registrada em Mateus 24. No versículo 43 Jesus conta uma pequena parábola conclamando Seus seguidores a ficar constantemente em alerta. Seu papel é vigiar assim como o pai de família vigiaria a casa se soubesse que os ladrões tentariam arrombá-la.

            Um estado constante de alerta e prontidão para a volta de Jesus é a mensagem desta pequena parábola. Afinal, “à hora em que não cuidais, o Filho do Homem virá” (v 44). É curioso notar que, ao longo da história, o momento em que menos se aguarda a volta de Cristo é sempre “hoje”.



            Ellen G. White deixou bem claro, inúmeros recados divinamente inspirados à homens e mulheres que estariam aguardando o retorno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, entre eles:



            ‘O Senhor está às portas; estai vós também preparados’

          "A sensacional verdade que tem soado em nossos ouvidos por muitos anos: ‘O Senhor está às portas; estai vós também preparados’, não é menos verdade hoje em dia do que quando ouvimos a mensagem pela primeira vez." – Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, vol. 5, pág. 14. 



            ‘Meu Senhor está demorando’

            "Existem os que dizem não só em seu coração mas em todas as suas ações: ‘Meu Senhor está demorando’. Visto que a vinda de Cristo foi predita há muito, chegam à conclusão de que existe algum engano a esse respeito. Mas o Senhor diz: ‘A visão aguarda um tempo designado; ela fala no fim, e não falhará: ainda que demore, espere-a; porque ela certamente virá’. (Hab. 2:3)... Seremos encontrados entre os que, tendo deixado de cooperar com Deus, estarão dizendo: ‘Meu Senhor está demorando?" – Ellen G. White, em Review and Herald, 18 de junho de 1901.



             Por que o Senhor ainda não voltou  

           A respeito da pergunta por que o Senhor ainda não voltou, alguém certa vez deu esta resposta: "Todo o Universo, talvez até os seres recém-criados, devem ser capazes de olhar para trás – não importa a que distância estejam cronologicamente do grande conflito – e ver os resultados da desobediência. O passar do tempo tende a obscurecer as coisas; quanto mais distante o passado, mais indistinto parece. O mal precisa evidenciar-se tão completamente que bilhões de anos depois, as inteligências celestiais nas mais distantes regiões da criação não tenham qualquer dúvida a respeito da maneira como Deus tratou com o mal. Sua demonstração precisa ser tão dramática, tão completa, que o amor, a misericórdia e a justiça de Deus em lidar com ele deixe toda a criação satisfeita, em todo o cosmos, por toda a eternidade



            Ilustração

            Após uma conferência sobre a segunda vinda de Jesus Cristo, uma senhora procurou o orador e disse:

            -“Jovem, sou tão boa cristã como você”.

            -“Não tenho dúvidas”, respondeu ele.

            -“amo ao Senhor tanto quanto você e tenho idade para ser sua mãe”.

            -“Acredito”, disse ele.

            -“Conheço a Bíblia tão bem quanto você”, continuou ela.

            -“Também não duvido”.

            -“Bem”, disse ela,

            -“amo ao Senhor, mas não desejo que Ele volte enquanto estiver viva”.

Como resposta, disse o jovem orador:

            -“Suponha que um jovem e uma jovem se amem e se casem, e que o esposo diga:

            -“Querida, preciso ir para a Europa. Estou para conseguir um bom emprego ali. Quando eu tiver começado a trabalhar e construído uma casa, voltarei para buscá-la”.

            Ele prometeu que escreveria, e as cartas começaram a chegar. Ela as lia, mostrava-as aos seus amigos, e as relia várias vezes, dizendo:

           -“Não é maravilhoso? Ele é o melhor marido do mundo, mas eu espero que ele não volte logo”.

            -“A senhora não pensaria que existe algo errado com uma pessoa assim?”

            Aquela senhora compreendeu onde ele queria chegar, e concluiu:

             -“Eu estou errada”.


            Conclusão:

            “Nunca deixes para amanhã o que poder fazer hoje” (Adágio popular). 

            O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; porém é longânimo para convosco, não querendo que ninguém se perca, senão que todos venham a arrepender-se” (II Pe 3:9).

         Hoje, se ouvirdes a Sua voz, não endureçais os vossos corações” (Hb 3:15).

            "Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto" (Isaías 55:6).

            "Passou a sega, findou o verão, e nós não estamos salvos" (Jeremias 8:20).



            Deus nos conceda a sabedoria suficiente para atentarmos a estas palavras.              

            É o meu desejo e a minha oração. Amém!!!

    




A MELHOR EXPRESSÃO DO AMOR


3ª) Mordomia do Tempo.



           Introdução

           Tempo é vida. Quando trabalhamos para nosso sustento, trocamos um “pedaço da nossa vida” pelo nosso salário (pedaço da vida dos outros).

           Tempo é amor. A seguir, estão dois exemplos de tempo esbanjado por professos cristãos que trocaram em excesso para si mesmos o tempo necessitado por outros:

           » Não se pode colher nos últimos anos de vida para o Senhor o que primeiramente não tomamos tempo para semear (Sl 126:6).

           Da mesma forma, não se pode colher nos últimos anos de vida uma família na qual primeiramente não semeamos na forma de tempo e atenção. Então, a descendência estará demasiadamente ocupada para ser colhida.

           » Um pai passou apressadamente à frente de seu filho, que estava chutando a bola contra a parede: ”Te amo, filho!” disse o pai, por cima do ombro.  “Eu não quero que você me ame. Quero que jogue bola comigo”, respondeu o garoto.



           Pense reverentemente neste desafio inspirado:

           “De nenhum talento que [Deus] nos concedeu requererá Ele mais estrita conta do que nosso tempo”. – Ellen G. White, PJ, pág. 342. Por isso desejo encarecidamente fazer-lhes um pedido: jamais profiram tal insanidade – “Estou matando tempo”.



           Na qualidade de fiéis mordomos, glorificamos a Deus mediante o sábio uso do tempo. “Tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como para o Senhor; e não para homens, cientes de que recebereis do Senhor a recompensa da herança. A Cristo, o Senhor, é que estais servindo” (Cl 3:23-24).

      

           A recomendação bíblica.

           A Palavra de Deus nos adverte a nos conduzirmos “Não como néscios, e, sim, como sábios, remindo (aproveitando) o tempo, porque os dias são maus” (Ef 5:15-16).

           Seguindo o exemplo deixado por Jesus, quando tinha apenas 12 anos, devemos ocupar-nos dos negócios de nosso Pai (Lc 2:49)

           “Estou matando o tempo”. Jamais profira tal infâmia!

           O tempo é dom de Deus, cada momento é precioso. Ele nos é concedido para formarmos o caráter a ser levado para a eternidade.

           Mordomia fiel do tempo significa utilizá-lo para conhecer melhor a nosso Senhor, para ajudar nossos semelhantes e para compartilhar o evangelho. Que maravilhoso círculo virtuoso!

           O tempo é sua dádiva mais importante, pois você só recebeu uma quantidade fixa dele. Se você ama, saiba que a melhor expressão do amor é o tempo. A importância das coisas pode ser medida pelo tempo que estamos dispostos a investir.



           Ajudar nossos semelhantes é importante à vista de Deus?

           Saiba que quando você dedica seu tempo a alguém, você está dedicando uma porção de sua vida que jamais irá recuperar. O tempo é a sua vida. É por isso que o maior presente que você pode dar a alguém é o seu tempo.  

           Sempre que você dá seu tempo, está fazendo um sacrifício, e o sacrifício é a essência do amor. Jesus foi um exemplo disso: “Sejam cheios de amor pelos outros, segundo o exemplo de Cristo, que amou vocês e se entregou a Deus como sacrifício a fim de tirar os seus pecados” (Efésios 5:2).

           Outra versão afirma: “Cristo vos amou, e se entregou a si mesmo por nós...” (Ef. 5:2). “Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela” (Ef. 5:25).  E o testemunho do apóstolo Paulo mostra-nos o caminho a seguir: “Vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim” (Gal. 2:20).

           Quando, na criação, Deus nos outorgou o tempo, reservou para Si o sétimo dia, o Sábado, com a finalidade de desenvolvermos comunhão com Ele.  Entretanto, seis dias foram providos para que a família humana se envolvesse em atividades úteis, de seu próprio interesse.



           Conclusão.



            “O fazer as coisas em tempo pode ser bom argumento em favor da verdade. Perdem-se frequentemente vitórias devido a tardanças. Haverá crises nesta causa. A ação pronta e decisiva no momento oportuno conquistará gloriosos triunfos, ao passo que tardança e negligência resultarão em grandes fracassos e positiva desonra para Deus”. – Ellen G. White, TPI, vol. 3, pág. 498.

           Está escrito na primeira epístola de Paulo aos coríntios, no capítulo 10, versículo 31 que quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus”.

           O livro de Eclesiastes no capitulo 3 diz que há, para todas as coisas, um tempo determinado por Deus. Correto? Sim.

           Ainda no livro de Eclesiastes, encontramos: “... mas o tempo e a oportunidade ocorrem a todos (Ec 9:11 u.p.) . Daí a pergunta: Como saber o tempo e a oportunidade?

           Talvez você esteja enfrentando grandes decisões ou escolhas?

           Neste caso, como o conceito de que existe um tempo apropriado para cada coisa poderá ajudá-lo em sua decisão?

           Pense novamente na importância destas palavras: “Tudo tem o seu tempo determinado”.

           Oração, estudo da Bíblia e o conselho de outras pessoas, mais experientes e confiáveis, certamente o ajudarão a tomar a decisão correta no tempo certo!

           Acredite nisso. É o eu desejo e a minha oração. Amém!!!