domingo, 15 de março de 2015

REVERÊNCIA - I

Guardareis os meus sábados, e o meu santuário reverenciareis. Eu sou o Senhor” (Lv 19:30 – ACF). "Guardem os meus sábados e reverenciem o meu santuário. Eu sou o Senhor" (Lv 19:30). “Guardem o sábado, que é um dia sagrado, e respeitem o lugar onde sou adorado. Eu sou o Senhor” (Lv 19:30 – BTLH). “Observareis meus sábados e respeitareis meu santuário. Eu sou o Senhor” (Lv 19:30 – VC).

            Introdução
            Fatos recorrentes vivenciados com muita frequência em nossas igrejas levaram-me a pensar mais seriamente, mais uma vez, na questão da reverência em nossos cultos. Trata-se indubitavelmente de um dos maiores problemas enfrentados no dia a dia de nossas igrejas. A falta de reverência (respeito à Deus e as coisas pertinentes a Ele) manifesta-se nas mais variadas formas: Há os que permanecem do lado de fora (a turma do portão), conversando durante o culto. Há falatórios, conversas e cochichos dentro do templo. Há também aqueles que adotam uma postura de indiferença. Isso sem falar na bagunça das crianças que não são controladas pelos pais. O que fazer?

            Quando Deus fala...
            Quando Deus fala, é imperativo que prestemos atenção e que também ajamos de acordo com isto. No texto chave, o Senhor recomenda que façamos duas coisas: guardar o sábado e reverenciar o Seu santuário. As duas coisas andam juntas, são inseparáveis.
            A verdadeira observância do sábado conduz à reverência e a reverência nos ajuda a conservar o sábado santo – trata-se de um círculo virtuoso.
            O quarto mandamento ordena-nos que guardemos o sábado por ser o Santo dia de Deus, em que adoramos o Senhor no santuário dedicado à proclamação de Seu Evangelho eterno.

            Quando nos reunimos para o culto...    
            Quando nos reunimos para o culto, comparecemos à Sua presença, pois Ele mesmo declara: “Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” (Mt 18:20). Assim nossa atitude para com o sábado e nossa conduta na igreja determinam as bênçãos que receberemos. Isso é tão sério que merece ser dito novamente: Assim nossa atitude para com o sábado e nossa conduta na igreja determinam as bênçãos que receberemos. Alguém aqui quer ser abençoado?

            Há pessoas que...
            Há pessoas que professam o sábado, mas não manifestam a devida reverência na igreja. A religião de Cristo estabelece que se reverencie o sábado e o santuário, pois ambos são santos. A irreverência afasta a Deus de nosso meio e muitas vezes desvia as pessoas para longe da igreja. “Por causa da irreverência na atitude, no traje, e comportamento, e falta de verdadeiro espírito de devoção, Deus muitas vezes tem afastado Seu rosto dos que se achavam reunidos para o culto” (Ellen G. White, Testemunhos Seletos vol. 2, pág. 201).

            A irreverência em nossas igrejas é fato
            Todos nós sabemos muito bem que a irreverência se faz presente na maioria de nossas igrejas. Isto é muito triste, lamentável, infelizmente. O povo se conduz na igreja como se estivesse num evento festivo ou político. A voz de Deus tem sido diminuída por causa de abusos cometidos em Seu santo tempo, no Seu santo dia.
            As palavras “reverenciareis o Meu Santuário” deviam ter profundo significado para nós. “O sentimento moral dos que adoram a Deus no Seu santuário tem de ser elevado, apurado e santificado. Eis o que tem sido deploravelmente negligenciado. É assunto que foi votado ao desprezo e o resultado disto é a desordem e irreverência que passaram a imperar e Deus é desonrado” (Ellen G. White, Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 199).

            A pergunta que não quer calar
            Por que existe irreverência na igreja? Não é um paradoxo?
            Existe falta de reverência na igreja porque a linha que separa o santo do comum  (profano) quase tem sido apagada. Isto é comprovado pelas palavras: “A menos que aos crentes sejam inculcadas ideias precisas acerca do culto verdadeiro e da verdadeira reverência para com Deus, prevalecerá entre eles a tendência de nivelar o sagrado ao comum. Tais pessoas, professando a verdade, serão uma ofensa a Deus e uma lástima para a religião” (Ellen G. White, Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 202).
            No livro de Atos, o evangelista Lucas afirma que: “E em toda a alma havia temor
(
Atos 2:43). Temor, não no sentido de medo ou espanto, que significa o termo phobos em Grego, mas no sentido de reverência, ou respeito com aparece em Romanos 13:7: “a quem respeito, respeito”.

            Como era na igreja primitiva?
            Os cristãos primitivos tinham respeito pela Majestade divina, receio de ofender a Deus, submissão filial ao Pai celeste. Isto, logicamente, no que diz respeito ao ato de adoração, bem como no comportamento na casa de Deus.

            Triste tendência
            Há uma crescente tendência dentro da IASD de perder o senso da presença de um Deus Santo – que é essencial para o verdadeiro culto. Como resultado da falta de respeito pela casa de Deus, a crescente irreverência manifestada durante o serviço do culto é uma trágica tendência que infelizmente não temos devidamente reconhecido.
            Sabemos que esta fraqueza não se resolve simplesmente estabelecendo regulamentos, e mudando de uma hora para outra.
            Quantas vezes ficamos envergonhados, especialmente quando comparamos tal desrespeito com o respeito pelo santuário de Deus manifestado por outros grupos cristãos.Este é um problema muito sério que deveria ocupar profundamente a nossa atenção e trabalho na procura de uma solução viável.

            Conclusão
            Não é difícil concluir que necessitamos urgentemente encontrar uma solução para a questão que a cada dia nos aflige mais e mais. De nada adianta atacarmos os efeitos e ignorarmos as causas.
            Pergunta-se então: Onde é que se encontra a raiz de toda esta dificuldade?
            Possivelmente a história do Movimento Adventista, à luz de sua filosofia doutrinária pode ser a chave. Contudo, não devemos esquecer-nos que sempre é perigoso tentar remediar alguma coisa que está errada quando o pêndulo balança para o outro extremo.
            Na próxima mensagem vamos juntos descobrir a raiz do problema e na medida do possível encontrar soluções através de medidas simples e práticas visando que nossa adoração seja perfeita e que realmente aconteça “em espírito e verdade”.
            “Adoremos a Deus de modo aceitável, com reverência e temor” (Hebreus 12:28).
            É o meu desejo e a minha oração. Amém!!




© Nelson Teixeira Santos

sábado, 14 de março de 2015

ORAÇÃO - REAVIVADOS PELA

Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus” (Filipenses 4:6 – NVI).

            Introdução
            Considerando que:
            Foi o próprio Jesus quem nos delegou uma tarefa – aliás, uma missão;
            Com o passar do tempo todas as coisas tendem a esfriar (inclusive as espirituais);
            Que carecemos de algo que nos identifique como cristãos – poder vindo do alto;
            Nossa natureza pecaminosa conspira contra nossas verdadeiras necessidades;
            Concluímos que, como o próprio título da mensagem sugere; o caminho para que sejamos reavivados passa necessariamente pela oração.
           
            Abaixo o pragmatismo
            Porém, seria muita ingenuidade, leviandade mesmo, talvez até mesmo hipocrisia, ou quem sabe, presunção; achar que basta orar para que o reavivamento através da oração aconteça. Não existe fórmula mágica. Condições precisam ser satisfeitas.
            Achar que vai dar tudo certo ou que tem de dar tudo certo; simplesmente porque alguém investido de poder pela instituição assim o determinou – isto é pragmatismo. Felizmente, no âmbito espiritual, as coisas não acontecem assim. As coisas precisam ser movidas pelo Espírito de Deus.
            Atualmente, o Espírito Santo, o agente executor de Deus na Terra, tem que se fazer presente. Pois está escrito: “Não será por meio de um poderoso exército nem pela sua própria força que você fará o que tem de fazer, mas pelo poder do meu Espírito. Sou eu, o Senhor Todo-Poderoso, quem está falando” (Zc 4:6 – NTLH).
 
            Analgesia e a oração
           Cibalena, Fontol, Cafiaspirina, Melhoral. Não estou fazendo nenhuma espécie de merchandise não. Os mais vividos devem lembrar-se de que estou falando e devem estar se perguntando: O que analgésicos tem a ver com oração?  
            Não tem tudo, mas tem muito a ver. A cristandade, de forma geral e, nós não somos a exceção, adota a oração de uma forma peculiar para lidar com as dores cotidianas, quer sejam físicas ou espirituais. Como panaceia. Algo do tipo efeito placebo. Isso não funciona, mas que as pessoas tentam, ah, isso tentam! Tentam em vão!
            Quando agimos desta maneira não só banalizamos, como subestimamos o poder da oração. O pastor R. A. Torrey, poderoso pregador do reavivamento ocorrido no fim do século XIX e início do século XX, lamentando as muitas atividades dos cristãos, declarou: “Estamos ocupados demais para orar. Por isso estamos muito ocupados para ter poder. Temos grande quantidade de atividades, mas realizamos pouco, muitos serviços, mas poucas conversões, muitos equipamentos, mas poucos resultados”.
            Para que a oração atinja seus objetivos é preciso que certas condições sejam cumpridas; e isso inclui o reavivamento através da oração.
            O caminho é longo, cheio de percalços, de atalhos, de variáveis, mas nada que a Palavra de Deus, juntamente com o Espírito de Profecia não sinalize que a vitória já nos foi assegurada na cruz do calvário. A expiação propiciada por Jesus Cristo abriu-nos o caminho. Quando você se por a caminhar, a Palavra de Deus afirma que: “Se vocês se desviarem do caminho, indo para a direita ou para a esquerda, ouvirão a voz dele atrás de vocês, dizendo: ‘ o caminho certo é este, andem nele” (Is 30:21).

            A relevância da fé
            Acreditar que Deus é o nosso Criador carece de fé?
            E acreditar que Ele existe?
            “É impossível agradar a Deus a não ser pela fé. Por quê? Porque qualquer um que deseja se aproximar de Deus deve crer que Ele existe e que se preocupa o bastante para atender aos que o procuram” (Hb 11:6 – A Mensagem); “porque quem vai a Ele precisa crer que Ele existe e que recompensa os que procuram conhecê-Lo melhor” (NTLH).
            Na Palavra de Deus, fé ou crença quer dizer confiança absoluta em tudo que Deus tem revelado, por exemplo: Gên. 15:6. Se você quer ser reavivado pela oração deve pedir. Mas pedir como? Assim: “Peça-a, porém, com fé, sem duvidar, pois aquele que duvida é semelhante à onda do mar, levada e agitada pelo vento” ( Tiago 1:6 – NVI).
            A fé é um dom de Deus, mas a faculdade de exercê-la é nossa.

           A fé é a vitória que vence o mundo e a todos os inimigos de Deus: Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé(I João 5:4). O justo viverá pela fé(Hab. 2:4). Jesus disse a seus discípulos: tende fé em Deus;...” (Marcos 11:22); pela fé agiram os heróis das Santas Escrituras (Hebreus 11).

            Pecados não confessados.
            “Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz” (Tg 5:16 – NVI).
            O pecado de Acã, relatado em Josué 7:1-26, é o exemplo clássico de pecado não confessado. Na conquista de Jericó, tomou do anátema, e em desobediência flagrante da expressa ordem de Deus. Josué 6:18.
            As consequências: Devido ao pecado de Acã, Deus foi impedido de derramar Suas bênçãos sobre a nação de Israel como um todo. Salmo 66:18-20.
           Os que professam ser cristãos enquanto acariciam secretamente os ídolos prejudicam demais a causa de Deus. São mentiras vivas, e essas mentiras afetam negativamente seu testemunho. I João 3:8.
            Louvado seja Deus que nos apresenta a solução: “O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia” (Prov. 28:13). “Alcançará misericórdia” significa dizer que, será bem sucedido, bem aventurado, feliz, próspero em todas suas atividades, inclusive no reavivamento através da oração.

            Conceda o perdão
             Certamente entre os desafios a serem enfrentados por aqueles que almejam ser reavivados pela oração está a questão do perdão. Por quê?Porque o perdão fere o nosso senso de justiça.
            Quando somos confrontados acerca da concessão do perdão, passamos a racionalizar mais ou menos assim: “Por que devo conceder algo a alguém sendo que ele não merece”? E pasme, perdão é exatamente isto.
            “Quando chegamos a pedir misericórdia e bênçãos de Deus, devemos fazê-lo tendo no coração um espírito de amor e perdão. Como poderemos orar: “Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nos perdoamos aos nossos devedores”, e não obstante alimentar um espírito de irreconciliação? Se esperamos que nossas orações sejam atendidas, devemos perdoar aos outros do mesmo modo e na mesma medida em que esperamos ser perdoados”. Caminho para Cristo, pág. 83.
            Mas a pergunta que não quer calar: Por quê?
            Novamente, a Palavra de Deus tem a resposta: “Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas” (Mt 6:14-15). Em outras palavras: sem o perdão divino não há Céu!  Sem Céu não há esperança de vida eterna. Sem vida eterna significa que estamos irremediavelmente perdidos!

            Conclusão
            Conforme asseveramos inicialmente não temos a garantia que mesmo estudando, assimilando, internalizando, seguindo ou mesmo colocando em prática estes ensinamentos, seremos reavivados pela oração.
            O milagre da reavivação ocorre quando Deus, em Sua bondade, busca um relacionamento mais profundo conosco. A iniciativa sempre é dEle. O Espírito Santo cria desejos em nós, nos convence das nossas reais necessidades e revela bondade e graça de Jesus. A decisão de responder afirmativamente cabe única e exclusivamente a você e a mim. Eu decido. Você decide. Nós decidimos - individualmente.
            Porque não responder ao Seu chamado?
            Porque não abrir o coração ao toque do Espírito Santo?
            Porque não pedir que Deus faça algo extraordinário em sua vida?
             Reafirmo. O caminho passa pela oração. Ele responderá às suas orações e em seu caminho fluirão bênçãos de uma maneira que você nunca, jamais imaginou!
            É o meu desejo e a minha oração. Amém!!!










© Nelson Teixeira Santos