quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

O MELHOR CONSELHO


O conselho do Senhor permanece para sempre; os intentos do seu coração de geração em geração” (Salmos 33:11).
Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores” (Salmos 1:1).


            Introdução
            Curiosamente, mesmo vivendo em um mundo dominado pelo pecado, tendo como uma de suas principais características o egoísmo; todo mundo gosta de dar, em contrapartida quase ninguém gosta de receber. Dada a sua importância, ele aparece mais de 1500 vezes na Bíblia (VT 1148, NT 372). Vamos compartilhar sobre conselhos.


            Onde o mundo vai buscá-lo
            Uma das primeiras fontes de conselhos de que há registro foram os oráculos da Grécia Antiga. A eles recorriam reis e generais antes de tomar decisões de vida ou de morte. O mais famoso de todos os oráculos era o de Delfos. Ao pé do Monte Parnaso, era considerado pelos gregos o centro do Universo. Lá, as sacerdotisas de Apolo revelavam suas profecias. Ao perguntar se deveria atacar os persas, o rei Creso, de Lídia, recebeu o seguinte conselho: “Se você o fizer, destruirá um grande império”. Creso lançou-se à batalha sem entender que o império derrotado seria o dele. Não basta, portanto, receber um bom conselho. É preciso interpretá-lo de forma correta.

            Definição
            Parecer (proposta, sugestão, consulta) sobre o que convém fazer.

            O que nos diz a Palavra de Deus
            Reza um velho ditado popular que “se conselho fosse bom não seria dado, seria vendido”. Será?  A lógica divina sempre vai à contra mão do mundo por isso está escrito: “Quando não há conselhos os planos se dispersam, mas havendo muitos conselheiros eles se firmam” (Provérbios 15:22). Quem não aceita bons conselhos é considerado pela Palavra de Deus como tolo. São aproximadamente 25000 vezes (VT 19024, NT 5971).


            Conselho e conselhos
            Ao recorrermos as Santas Escrituras, como convém a todo cristão que se preza, descobriremos que existe o bom conselho e o mau conselho.

            Exemplos bíblicos de bons conselhos:
            “Como maçãs de ouro em salvas de prata, assim é a palavra dita a seu tempo” (Provérbios 25:11).
            “As palavras dos sábios devem em silêncio ser ouvidas, mais do que o clamor do que domina entre os tolos” (Eclesiastes 9:17).
            “As palavras dos sábios são como aguilhões, e como pregos, bem fixados pelos mestres das assembleias, que nos foram dadas pelo único Pastor” (Eclesiastes 12:11).

            Exemplos bíblicos de maus conselhos:
            Balaão (Num 31:16);
            Aitofel (II Sm 17:1);
            Jovens amigos de Roboão (I Reis 12:10)


            Em nossos dias
            No final de 2009, início de 2010 a revista Época publicou um artigo intitulado “O Melhor Conselho que Recebi”, onde 21 personalidades brasileiras de sucesso revelam as ideias que nortearam sua vida. Eles também contam de quem receberam o conselho e em que situações ele foi útil. Seguindo o conselho paulino dado aos habitantes de Tessalônica de: “Examinai tudo. Retende o bem” (1 Tessalonicenses 5:21), vamos apresentar alguns deles:


             Cumpra metas traçadas com disciplina e constância
            "Minha mãe, Jutta Batista, me fez entender que ter disciplina faz uma enorme diferença na vida. Eu tinha por volta de 13 anos quando ela conversou comigo sobre o assunto. Acordar cedo, cumprir as tarefas, os horários, ser sempre pontual nos compromissos. No fundo, tudo é disciplina, e ela me ajudou em todos os aspectos. Eu sofria de asma quando criança. Minha mãe sabia que uma das maneiras de me curar era nadando. Então, ela me incentivou na natação, me fez ter disciplina e dedicação. Segui o conselho e me curei da asma. O que ela me ensinou também foi absolutamente vital para meu trabalho, como empreendedor e criador de novos negócios. Cumprir as metas traçadas, com disciplina e constância, e executar os projetos até o fim. Cumprir todas as regras, sem pular etapas. Graças a esse conselho, também continuo a fazer exercício pelo menos duas vezes por semana. Tenho 52 anos e uma saúde de ferro."  Eike Batista, 52 anos, carioca, empresário


             Nada acontece sem esforço
            "O melhor conselho que recebi veio do meu pai. Eu sempre uso a frase que ele me dizia: ‘Peça a Nossa Senhora e não saia correndo atrás, para ver o que acontece’. Não acontece nada se a gente não se esforçar, se não trabalhar, não tiver um planejamento. Ou seja, só ficar na expectativa e não mergulhar, não encarar, não enfrentar os problemas. Minha primeira atitude é sempre correr atrás, não fugir do problema, ir atrás dele para resolvê-lo. Eu sempre procuro entender as questões com profundidade e ver quais são as soluções. Procuro adotar uma estratégia para resolver, ver todas as formas e os ângulos de determinado problema para depois pedir a Nossa Senhora e sair correndo atrás. Outra frase que meu pai dizia é: ‘Nunca chame o lobo para se defender do cão’. Se você não é suficientemente apto para lidar com um problema, não se meta nele. Não pense que, ao chamar alguém mais esperto do que você, ele vai te ajudar. Pode até atrapalhar." Roger Agnelli, 50 anos, paulista, empresário


             Nunca se explique
            "Era 1964. Eu tinha 30 anos e estava fazendo pós-graduação nos Estados Unidos. No Brasil, o golpe militar trouxe um clima em que qualquer coisa era subversão. Não era preciso fazer nada para ir preso. Muitos amigos meus foram assassinados. Eu escrevia artigos falando de liberdade, nada explícito contra o regime, mas é claro que eu era contra ele. E assim ganhei inimigos. Eu tinha sido pastor. Pessoas que não gostavam de mim dentro da igreja começaram a me fazer acusações. Nada era claro. Nunca sabemos direito como são as coisas. Chegavam mensagens do tipo ‘consta que existe um documento contra você’ e tal. Eram ameaças. E, naquela época, até provar que focinho de porco não era tomada elétrica... Eu quis me defender. Publiquei artigos em revistas americanas para me explicar. Não houve repercussão. Foi então que meu professor de filosofia na universidade, muito sábio, me deu o melhor conselho que já me deram na vida. Ele me disse: ‘Rubem, nunca se explique. Para seus amigos, não é preciso se explicar. Para seus inimigos, é inútil se explicar’. Eu tentei seguir o conselho. Sempre tento, mas muitas vezes eu desobedeço. Ninguém segue conselho, né?"  Rubem Alves, 76 anos, paulista, escritor, educador

             O estudo traz uma releitura da vida
            "Dos 5 aos 14 anos, morei com minha avó Julia, em Mecejana, no Ceará. Eu morava numa casinha de palha, a 10 quilômetros da casa do meu pai. Ficava numa capoeira. Minha avó era uma pessoa muito inteligente, capaz de decorar um livro inteiro de cordel apenas de ouvir a história umas duas vezes. Como ela não sabia ler, meu pai lia para ela, e ela me contava as histórias. Ou as cantava em forma de cantoria, como os repentistas. Foi com ela que aprendi os rudimentos do cristianismo. Ela tinha um catecismo feito de papel-cuchê, com umas ilustrações belíssimas da Capela Sistina, que mostrava desde a Criação até o Apocalipse, o fim do mundo. O livro não tinha escrita, só ilustração. Era feito para analfabetos. Minha avó dizia que no Ceará havia padres, freiras e tudo isso. No meu imaginário de criança, ao ouvir tudo isso, eu comecei a dizer que, quando eu crescesse, seria freira. Todas as vezes que eu dizia isso, ela me aconselhava a estudar. Dizia que freira não podia ser analfabeta. E cresci com esse conselho. Quando fiquei doente, resolvi cuidar da minha saúde e ser freira. Fui para um convento, onde fiquei dois anos e oito meses. Foi assim que comecei a estudar. Para ser freira, eu tinha de aprender a ler. Eu tinha 16 anos e meio quando fui para Rio Branco para ser freira. E continuo tentando me curar do analfabetismo até hoje. Analfabeto é também quem não consegue fazer uma leitura em relação aos tempos que está vivendo, quem não consegue ler os valores que se quer reforçar ou outros que a gente precisa mudar. Enfim, a alfabetização é um processo contínuo; é dar outra significação à vida."  Marina Silva, 51 anos, acriana, senadora


             Deixe de lado a opinião dos outros
            "Desde que decidi ser piloto, recebi orientações bastante úteis. Meu pai logo me alertou que eu precisaria abrir mão de muita coisa se quisesse realmente chegar aonde pretendia. Na minha adolescência e juventude, cansei de abrir mão de festas e baladas. Mas acredito que o melhor conselho partiu do piloto Michael Schumacher. Eu já o conhecia bem desde 2003, ano em que passei como piloto de testes da Ferrari. Em 2006, fui seu companheiro de equipe na sua despedida da Fórmula 1. Eu correria ao lado simplesmente do cara que virou uma lenda e quebrou praticamente todos os recordes da categoria. Foi quando ele disse para jamais me preocupar com o que as pessoas, e principalmente a imprensa, falassem a meu respeito: ‘Eles vão falar bem um dia e falarão mal depois, mas você não deve dar importância. O que vale mesmo é se concentrar em fazer o seu trabalho da melhor forma possível, deixando de lado a opinião dos outros’. Foi o que passei a fazer a partir de então. Essa postura me deixou mais forte mentalmente e me ajudou a superar os momentos difíceis na F-1." Felipe Massa, 28 anos, paulistano, piloto de F-1


            Conclusão
            Você não precisa levar a sério tudo o que foi dito aqui nesta noite; aliás, não precisa levar nada a sério, se assim o desejar, pois o livre arbítrio concedido por Deus concede-lhe  este direito; contudo não se esqueça “que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus” (Romanos 14:12).
            Agora saiba que existe uma promessa divina que talvez o faça mudar de ideia. Seguir conselhos humanos nem sempre pode ser uma boa pedida, mas dar ouvidos ao “assim diz o Senhor”...: “Guiar-me-ás com o teu conselho, e depois me receberás na glória” (Salmos 73:24).
            Que esta seja a sua, a minha, a nossa experiência com Deus.
            É o meu desejo e a minha oração. Amém!!!                      


             © Nelson Teixeira Santos            

Nenhum comentário:

Postar um comentário